Por Redação em 28/07/2020

Pesquisa colocou o Brasil em segundo lugar no ranking de energia renovável, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, com uma pontuação de 6,5 ante os 7 do líder. Confira esse e outros destaques do mês no InfoEnergia ENGIE.

Sumário

  1. Destaques do Mês
  2. PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)
  3. Energia Natural Afluente (ENA)
  4. Energia Armazenada
  5. Geração Mensal de Energia
  6. Indicadores Econômicos

Destaques do Mês

  • Média mensal de adesões ao mercado livre é a maior desde 2016

De acordo com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o ano de 2020 apresentou uma maior média de adesões ao Mercado Livre de Energia desde 2016, com cerca de 143 novos agentes por mês, de janeiro a junho, frente a uma média de 118 em 2019.

O primeiro semestre do ano se encerra com 7.812 consumidores habilitados, uma alta de 22,9% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Conforme informa a CCEE, este resultado é reflexo principalmente do crescimento de 25% no número de consumidores especiais. O volume de consumidores livres também acompanhou o movimento, crescendo cerca de 9%. Os cálculos já descontam os agentes desligados no período.

Somente em junho, o número de processos em andamento para adesão ao Mercado Livre de Energia cresceu 41% em comparação com o mesmo período do ano passado. No mês, foram registrados 1.049 processos de migração, sendo a maior parte de consumidores especiais, com 796 novos pedidos em análise.

Do total de consumidores que aderiram ao Mercado Livre em junho, 102 possuem carga de até 1 MW. Outros 22 possuem carga entre 1 MW e 1,99 MW e 11 adesões têm carga superior a 2 MW. O ramo de Serviços foi o que registrou o maior percentual de adesões.

  • CCEE disponibilizará o serviço do preço horário sombra na Plataforma de Integração

O preço horário sombra será o próximo serviço disponibilizado pela CCEE na Plataforma de Integração no segundo semestre do ano. Com previsão de lançamento para o final de agosto, a solução faz parte de uma onda de serviços que inclui também a segmentação por patamar e submercado do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) semanal.

Lembrando que o preço horário sombra ainda não está vigente comercialmente, e consiste no cálculo e divulgação do PLD em base horária de forma paralela ao cálculo do PLD semanal, que segue como valor oficial para o mercado até dezembro deste ano, mudando para o PLD horário em janeiro de 2021.

A Câmara de Comercialização divulgará o escopo completo dos serviços a serem disponibilizados na Plataforma de Integração no segundo semestre de 2020 até o início de setembro. O roadmap está sendo definido com base na priorização dos agentes que participaram do workshop realizado em maio e na disponibilidade das informações pela CCEE.

Criada em 2014, a Plataforma de Integração é uma solução Business to Business (B2B) de Arquitetura Orientada a Serviços (SOA), que permite os agentes conectarem os sistemas da CCEE aos seus próprios. Dessa forma, promove a troca de informações e automatização de operações que antes eram realizadas manualmente. Redução de custos, ganho de produtividade, eliminação de erros operacionais e mais agilidade na execução de atividades são os principais benefícios da Plataforma.

  • Brasil é listado como segundo em ranking de investimento em renováveis

Segundo informa o Canal Energia, a British Business Energy, empresa que atua no Reino Unido, realizou uma pesquisa analisando dados de 29 países, referente a empresas de energia em todo o mundo e colocou o Brasil em segundo lugar no ranking de energia renovável. O país ficou atrás apenas dos Estados Unidos, com uma pontuação de 6,5 ante os 7 do líder. Atrás vem a Índia com pontuação 6,3.

A empresa aponta que essa indústria de energia continua em crescimento e que depende fortemente de recursos finitos. Por isso, foram analisados os dez principais países que estão investindo, usando parcialmente ou planejando usar fontes renováveis em breve. Ainda fazem parte do topo desse ranking de renováveis Hungria e Argentina.

A British Business Energy aponta ainda que a produção e a venda de energia estão crescendo. E com o aumento do consumo, os produtores e fornecedores do mundo estão tendo que pensar em métodos renováveis para se afastar dos combustíveis fósseis.

Ainda faz parte dessa pesquisa, rankings com as maiores receitas obtidas em setores energéticos, onde os Estados Unidos estão em primeiro com mais de US$1,2 trilhão e a China em segundo com US$ 836 bilhões. E ainda, a participação do setor energético na formação do PIB de um país. Nesse quesito a Holanda está em primeiro, com 46,76% do seu PIB derivado dessa indústria, seguida pela Rússia, com 29,4% e Noruega com 19,7%.

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

O PLD valora a energia comercializada no mercado de curto prazo, sendo determinado semanalmente para cada patamar de carga e submercado, baseado no Custo Marginal da Operação (CMO), limitado aos valores máximos e mínimos definidos pela Aneel.

O PLD do submercado Sudeste/Centro-Oeste fechou a quarta semana de julho no valor de R$ 91,2/MWh.

 Fonte: CCEE

No gráfico abaixo são apresentadas as séries históricas do PLD e do CMO nos últimos 18 meses. De forma geral, observa-se que as duas séries históricas apresentam o mesmo perfil, exceto para os meses em que o CMO é mais elevado do que o PLD máximo, sendo a diferença convertida em encargos. Na quarta semana de julho o CMO apresentou o valor de R$88,05/MWh para os submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte e foi para R$72,06/MWh no submercado Nordeste.

Fonte: CCEE e ONS

Energia Natural Afluente (ENA)

O custo da operação do sistema brasileiro leva em conta as previsões de vazão mensal ou Energia Natural Afluente (ENA), revisada semanalmente pelo ONS.

A previsão de ENA realizada no mês de julho apresenta comportamento similar a previsão realizada no mês anterior.

Fonte: CCEE

Energia Armazenada

Em relação à energia armazenada do SIN, no gráfico abaixo são apresentados os níveis de armazenamento dos anos de 2019 e 2020 e a previsão de armazenamento da CCEE. Além disso, são apresentados níveis mínimos e máximos de armazenamento e a média histórica do período de 2000 a 2019.

A previsão da CCEE para a energia armazenada no ano de 2020, representada pela linha vermelha pontilhada mostra-se acima dos valores concretizados no ano anterior (linha verde) durante todos os meses do ano e se mantém em torno da média histórica. O nível de armazenamento do SIN fechou o mês de junho em 60,1% de acordo com os dados disponibilizados pelo ONS.

Fonte: InfoPLD da CCEE.

Geração Mensal de Energia

As principais fontes de energia no Brasil são hidrelétricas, seguida pelas termelétricas e eólicas. No gráfico abaixo estão apresentados os volumes de energia gerados no mês de julho de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado. Observa-se que a geração Hidráulica apresentou crescimento de 7,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, já a fonte Térmica teve uma queda considerável de 34,2%. As gerações Eólica e Fotovoltaica apresentaram crescimento de 10,7% e 30,9% respectivamente.

Fonte: Infomercado CCEE

Indicadores Econômicos

Nos gráficos abaixo observam-se as expectativas dos indicadores econômicos IPCA, IGP-M, Crescimento do PIB e Produção Industrial para 2020 e 2021, de acordo com os dados divulgados pelo Banco Central.

Para 2020, a expectativa da mediana do IPCA subiu de 1,61% para 1,72% entre a última semana de junho de 2020 e a última semana de julho de 2020. Para o ano de 2021, a expectativa é de 3,00%.

Para julho de 2020, a expectativa da mediana do IGP-M é de 6,70%, para 2021 a expectativa se mantém em 4,00%.

A expectativa de crescimento do PIB foi dos -6,50% de junho para -5,95% na quarta semana de julho. Para 2021 se manteve em 3,50%.

A expectativa de Produção Industrial para o ano vigente apresentou redução, fechando em -7,86%, já para 2021 a expectativa foi para 4,00%.

 Fonte: Boletim Focus do Banco Central do Brasil

As análises aqui apresentadas têm a finalidade única de informação e não devem ser tomadas como uma recomendação, oferta, aconselhamento ou solicitação de compra, ou venda de energia. A ENGIE não se responsabiliza pela utilização destas informações, nem tampouco pela sua exatidão, precisão ou completude. A decisão de compra ou venda de energia é de sua exclusiva responsabilidade e não deverá se basear no conteúdo deste Boletim.