Por Redação em 07/10/2020

O AO VIVO ENGIE promoveu em agosto, no Youtube Brasil, um bate-papo com o tema “Energia livre para sua empresa: menos preocupação, mais economia” a fim de apresentar as vantagens do Mercado Livre de Energia e os benefícios da migração facilitada a partir da solução E- conomiza.

A transmissão, com mediação de Renato Igor – apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV –, contou com a participação de Lívia Godoy, Head de Produtos ENGIE, e Jeferson Leônidas, Head de Clientes Empresariais ENGIE. Na pauta, as principais dúvidas relacionadas ao processo de migração para o Mercado Livre de Energia e suas vantagens.

Banner de acesso para campanha E-conomiza ENGIE

O Mercado Livre de Energia representa 30% de toda a energia elétrica consumida no Brasil, de acordo com Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (ABRACEEL). Trata-se de um ambiente de contratação bastante sólido, conhecido no mercado há 25 anos como ACL – Ambiente de Contratação Livre. 

Em 2019 registrou crescimento de 6% , comparado ao ano anterior. Esses dados são relativos, na maioria, a grandes consumidores de energia. Mas, como destaca esta edição do AO VIVO ENGIE, há oportunidade para que mais empresas ingressem neste mercado e também passem a economizar, reduzindo custos operacionais.

Essas e outras questões abordadas durante o AO VIVO ENGIE – edição especial sobre os benefícios da E-conomiza e as vantagens de ter energia livre na sua empresa, você confere no canal ENGIE do Youtube Brasil. Reveja agora mesmo a transmissão no vídeo abaixo!

Reveja agora mesmo a transmissão do AO VIVO Engie

Solucionando as dúvidas do AO VIVO ENGIE 

Durante o AO VIVO ENGIE “Energia livre para sua empresa: menos preocupação, mais economia”, algumas dúvidas do público não puderam ser respondidas devido ao tempo estipulado para a transmissão. Por isso, respondemos a seguir. Confira!


O que é o Mercado Livre de Energia?

Lívia Godoy, Head de Produtos ENGIE, responde: O Mercado Livre de Energia teve início lá em 1995, com grandes consumidores de energia. Trata-se de um ambiente onde você pode escolher o seu fornecedor de energia e comprar essa energia alternativamente ao seu supridor local ou distribuidora local, de acordo com sua necessidade e com preços diferenciados. 

Nos últimos anos, vimos uma expansão do Mercado Livre de Energia para que empresas de menor porte, como redes de varejo, shoppings e pequenas indústrias, entre outras, também possam economizar nesse ambiente de contratação. Foi pensando nessas empresas que a
ENGIE desenvolveu a solução E-conomiza, para facilitar a entrada no mercado e economizar, sem dores de cabeça.

Qual o custo do cliente para migrar para o Mercado Livre de Energia?

Jeferson Leônidas, Head de Clientes Empresariais ENGIE, responde: Os custos de migração para o Mercado Livre de Energia são baixos ou nulos. Se houver algum investimento, na maioria dos casos ele é recuperado em um período que varia de um a quatro meses.

Nesse formato da E-conomiza, quanto em valor (aproximadamente) deve ser a minha fatura?

Lívia Godoy, responde: Uma fatura no valor de R$ 40.000,00 mensais, somando os gastos com energia das unidades consumidoras (filiais) da empresa, é apenas um indicador de que há possibilidade de migração. Existem empresas com contas menores que migraram e outras com valores maiores que não puderam migrar. 

Atualmente o que limita a elegibilidade das empresas é um indicador técnico do setor elétrico que chamamos de “demanda contratada com um mínimo de 500kW, somando todas as unidades”. Caso tenha curiosidade em entender melhor a sua demanda, clique aqui e saiba mais sobre os dados que aparecem na sua fatura de energia elétrica.

Ficou alguma dúvida? Nossos especialistas também estão à disposição para analisar a sua fatura e as condições de migração para o Mercado Livre de Energia através da solução E-conomiza. Preencha o formulário para solicitar. 

O que, de fato, muda para a empresa ao adquirir a solução e migrar para o Mercado Livre? 

Jeferson Leônidas, responde: Como este mercado ainda é novo para algumas empresas é normal que existam dúvidas. O que, de fato, muda para a empresa são dois aspectos: 

A. Fisicamente, todos os equipamentos são mantidos da mesma forma, podendo ser necessária a substituição do medidor atual por um medidor inteligente, ou seja, a instalação do Sistema de Medição para Faturamento (SMF). Caso ocorra a troca, o retorno do investimento pode se pagar em até três meses;

B. Hoje o consumidor paga, na mesma fatura, os gastos de energia e a distribuição dela (o fio). Ao migrar para o Mercado Livre, sua empresa continuará pagando para a distribuidora local de energia, mas apenas os custos de distribuição. Com a solução E-conomiza, os gastos de geração de energia elétrica serão pagos para a ENGIE, mas com uma grande diferença: desconto garantido.

No caso de condomínios, é necessário que todos os apartamentos adquiram ou pode ser independente, ou seja, cada unidade pode escolher e entrar no Mercado Livre. Como funciona? 

Lívia Godoy, responde: Atualmente o Mercado Livre de Energia é aberto apenas para as empresas (Pessoa Jurídica), conectadas em redes de alta tensão com demanda contratada acima de 500kW. Portanto, condomínios residenciais ainda não são elegíveis para a migração, apenas condomínios comerciais.

É possível fazer comunhão de carga dos seus estabelecimentos, mesmo que estes estejam em endereços diferentes?

Lívia Godoy, responde:  Sim, é possível! A Comunhão de Cargas permite que consumidores com o mesmo CNPJ ou CNPJ diferentes, porém localizados em área contígua (sem separação por vias públicas), somem suas cargas para atingir o nível mínimo de demanda exigido. Opção ideal para uma rede de lojas de atacarejo, por exemplo, em que cada uma das unidades pode apresentar níveis de demanda contratada inferiores a 500 kW, e, juntas, somarem 500 kW para se tornar consumidor livre. Para mais informações, acesse aqui.

Muitas vezes, o comercializador até convence o gerente de compras a migrar para o ACL, mas a decisão final da diretoria acaba não ocorrendo. Na sua opinião, por que isso ocorre? 

Jeferson Leônidas, responde: Algumas barreiras de entrada ao Mercado Livre de Energia são naturais devido aos processos burocráticos e da legislação em torno desse mercado, fazendo com que algumas empresas não se sintam muito confortáveis ou achem confuso, implicando na necessidade de um apoio para escolher com segurança seu fornecedor de energia. 

A E-conomiza vem para cumprir exatamente esse papel de simplificar e apoiar, além de gerar economia. Ou seja, o cliente paga menos pela sua energia por meio da migração facilitada para o Mercado Livre de Energia, com respaldo da ENGIE. O grande diferencial desta solução é que orientamos o cliente desde o início, dando o passo a passo a fim de apoiá-lo em todas as etapas.

Como a ENGIE garante a economia de até 15%?

Jeferson Leônidas, responde: Uma das vantagens de migrar para o Mercado Livre de Energia por meio da solução E-conomiza é justamente a previsibilidade de desconto. Apesar das oscilações financeiras do mercado, a ENGIE garante a economia prevista em contrato, considerando os custos de energia e uso do sistema de distribuição (fio).

Ao avaliar as necessidades da sua empresa, o desconto acordado pode reduzir em até 15% o valor que você pagaria se permanecesse no Mercado Cativo. Converse com um especialista ENGIE para que possam, juntos, analisar as particularidades do seu negócio. Preencha seus dados no formulário, entraremos em contato.

E a fonte dessa energia é renovável, sustentável?

Lívia Godoy, responde: A ENGIE Brasil é a maior produtora privada de energia elétrica do Brasil, com capacidade instalada total de 10.211 MW em 61 usinas, o que representa cerca de 6% da capacidade do país. Quase 90% da nossa capacidade instalada no Brasil é proveniente de fontes renováveis e com baixas emissões de GEE, como usinas hidrelétricas, eólicas, solares e
biomassa.

Com a solução E-conomiza, sua empresa adquire energia de fontes incentivadas que são compostas por um pool de eólicas, biomassa, solar e pequenas centrais hidrelétricas.

Qual o principal ponto para se definir entre um modelo de mercado (varejista ou atacadista)? Qual a principal vantagem e desafio?

Jeferson Leônidas, responde: A modalidade varejista propõe a migração facilitada para o Mercado Livre de Energia. Foi criada para empresas que não possuem equipe interna de gestão de energia elétrica ou profissionais para lidar com as diversas burocracias do modelo atacadista, como:

• Abertura e gestão de conta do Banco Bradesco para pagamentos mensais de encargos e contribuição associativa;
• Liquidações do mercado de Curto Prazo;
• Diversos contratos.

Na modalidade varejista, o contrato simplificado facilita a comunhão de cargas, o que é bom para redes de varejo, empresas com filiais etc. Não há necessidade de contratação de gestão e/ou consultorias, além de não exigir garantias financeiras.

Já a modalidade atacadista é voltada para empresas de maior porte, que tenham experiência no Mercado Livre de Energia, pois, apesar da vantagem de maior redução de custos, os riscos também são maiores.

Se o cliente, por algum motivo, estiver interessado em adquirir energia renovável, é possível garantir a origem dessa energia (com comprovação que possa ser usada em uma certificação)?

Lívia Godoy, responde: Sim, é possível. A ENGIE oferece soluções para descarbonização, também conhecidas como “produtos renováveis”, como os créditos de carbono, contratos de energia renovável (ENGIE-REC) e certificados de energia renovável (I-REC). Saiba mais clicando aqui.

São possibilidades para sua empresa reduzir ou neutralizar emissões. Vale ressaltar que a ENGIE realiza projetos socioambientais no entorno de suas usinas e, ao adquirir as soluções, nossos clientes também estão contribuindo. 

Os pré-requisitos para a migração do varejista são iguais aos do atacadista?

Jeferson Leônidas, responde: Sim, os pré-requisitos são idênticos, mas o consumidor que optar pela migração atacadista irá atravessar alguns passos a mais, conforme mencionado anteriormente, como a abertura da conta no Banco Bradesco, entrega de documentos adicionais na fase de migração, pagamentos de taxas para realizar processo de habilitação para atuar na CCEE como agente – também chamado de Habilitação Comercial.

Se o cliente quiser cancelar o contrato e voltar para a distribuidora, como funciona?

Jeferson Leônidas, responde: Na legislação do mercado, se a empresa quiser voltar para o Mercado Cativo, ela precisa avisar a distribuidora com cinco anos de antecedência. O retorno, antes do prazo, cabe à distribuidora aceitar.

Isso é raro, pois quando o consumidor começa a ver o quanto pode economizar, permanece no Mercado Livre de Energia, principalmente quando a migração é feita pela solução E-conomiza, que facilita ainda mais o processo e com desconto garantido.

Cliente do grupo B com consumo maior que R$ 40k mês pode migrar para Mercado Livre de Energia?

Lívia Godoy, responde: Não. Atualmente apenas empresas do grupo A (alta tensão), e com demanda contratada superior a 500kW, podem migrar para este mercado. Cliente com consumo maior que R$ R$15.000,00 ou $20.000,00, provavelmente já recebe energia em alta tensão e, se possuírem a demanda mínima, podem migrar. 

A solução E-conomiza é ideal para empresas que não dispõem de uma equipe dedicada à gestão de contratos ou de infraestrutura elétrica robusta, e que procuram economia de energia, ou para empresas de pequeno porte com consumo de aproximadamente 1MWm de energia – considerando um fator de carga típico de 55% e o potencial mínimo de migração. Para mais informações, solicite o contato de um especialista ENGIE.

Quais são os riscos envolvidos no processo de migração?

Jeferson Leônidas, responde: Falta de respostas e atraso no atendimento por parte da distribuidora durante o processo de migração, mas que podem ser contornados com uma eficiente gestão no processo de migração, atributo principal da nossa solução E-conomiza.

Ainda há dúvidas? Fique à vontade para consultar nossos especialistas! Um dos maiores benefícios da E-conomiza é o apoio que a ENGIE oferece, desde o início, para consumidores que procuram economia de verdade, com menos preocupação e mais segurança.

Banner de acesso para campanha E-conomiza ENGIE