Por Redação em 19/11/2020

O BNDES quer ampliar o uso de debêntures incentivadas – títulos de dívida emitidos por uma empresa isentos de Imposto de Renda – para financiar projetos que contemplem requisitos ESG (sigla em inglês para ambiental, social e de governança).

O banco pretende lançar R$ 8,5 bilhões destes papéis para fomentar projetos de economia verde e desenvolvimento social neste ano e no próximo, conforme o jornal Valor Econômico.

De acordo com o diretor de crédito e garantia do BNDES, Petrônio Cançado, um decreto deste ano permitiu que as debêntures com isenção de IR pudessem servir também para a economia sustentável. Assim, o BNDES poderá usá-las para dar apoio a projetos de energias renováveis e aqueles com impactos sociais, a exemplo do saneamento básico.

Portfólio com projetos verdes

Segundo Cançado, o BNDES deve atuar cada vez mais via debêntures. O banco deve focar mais neste tipo de título porque ele permite a participação de outros atores do mercado. Assim, a prática se adequa à lógica que de cofinanciamento que o BNDES defende. Ou seja, o banco participa do crédito, mas há o envolvimento de outros investidores.

Atualmente, 54% da carteira do BNDES tem alguma ligação seja com a economia verde ou com desenvolvimento social, afirma Bianca Nasser, diretora de finanças do BNDES. A maior parte destes 54% corresponde a projetos verdes do setor de energia e agronegócio, com 41% deste total.

O BNDES foi a primeira instituição financeiro do país a emitir um título verde, em 2017. Segundo Bianca, para o banco é importante ter um portfólio com projetos verdes “porque há demanda dos investidores”. O primeiro green bond teve como lastro projetos de energia solar e eólica. Em setembro de 2020, o banco captou US$ 100 milhões para financiar projetos eólicos no Brasil.

O BNDES quer certificar mais projetos verdes para lastrear novos títulos. O movimento faz sentido, considerando o crescimento que dos investimentos ESG. Recentemente, a Bolsa de São Paulo lançou seu terceiro índice de ações ESG. Além disso, os investimentos ESG tendem a dar retorno mais satisfatório do que os tradicionais.