Por Redação em 06/11/2020

O Brasil é o segundo país com o maior número de empregos em energias renováveis, conforme dados da Irena, a Agência Internacional de Energia Renovável. O relatório anual da entidade mostrou que o país fica atrás apenas para a China em número de vagas. Enquanto no Brasil há 1,158 milhão de empregos em energias renováveis, o país asiático tem 4,361 milhões. Ao todo, são 11,5 milhões de postos de trabalho na área no mundo.

Entram nesta conta os empregos relacionados a biocombustíveis, energias hidrelétrica, eólica e solar, além de biomassa e biogás, por exemplo. No Brasil, a maior parte das vagas está no setor de biocombustíveis líquidos, com mais de 839 mil. Isto também o torna o país que mais emprega neste segmento.

Espaço para as mulheres

O relatório mostra ainda que foram criadas, no mundo, 500 mil vagas em renováveis em 2019. E que dos 11,5 milhões de funcionários do setor, 32% são mulheres. Esta porcentagem de mulheres é melhor do que a registrada em combustíveis fósseis, por exemplo, onde elas são 22% da força de trabalho.

O relatório da Irena reconhece, no entanto, que “ainda falta muito a se fazer para igualar as condições para as mulheres e aproveitar, de forma adequada, seus talentos e ideias”.

2030: até 30 milhões de empregos em energias renováveis

Em comunicado, o diretor geral da Irena, Francesco La Camera, ressaltou a importância de os países investirem em energias renováveis.

“Adotar as renováveis cria empregos e melhora a renda local tanto nos mercados de energia desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento”, avaliou.

La Camera também estima que a agenda pós-Covid da agência pode criar 5,5 milhões de empregos ligados à transição energética nos próximos três anos. Com isso, seria possível chegar a 2030 com 30 milhões de vagas em energias renováveis no mundo. Além disso, ele acredita que a pandemia do novo coronavírus ressaltou a importância de políticas em prol de energias renováveis.