Por Redação em 18/05/2021

Uma das maiores mineradoras do mundo está investindo pesado para atingir a meta de neutralizar todas as emissões de carbono de suas unidades até 2040. O passo mais recente da Anglo American é preparar as suas minas para a entrada de caminhões movidos a hidrogênio. O objetivo é que as sete minas da companhia operem com esse tipo de veículo até 2030.

A informação é do site especializado International Mining e a publicação cita como fonte o mais recente relatório de Desempenho de Sustentabilidade da Anglo American. Ainda de acordo com a International Mining, as ações fazem parte da plataforma de mina inteligente, iniciativa de mudança da companhia que envolve a indústria 4.0.

Caminhões a hidrogênio devem ser compatíveis com diesel até 2030

O projeto de caminhões com célula de combustível de hidrogênio e operação com bateria de lítio envolve um veículo da fabricante japonesa Komatsu, o fora de estrada modelo 930E, usado na mina de platina de Mogalakwena, na África do Sul. De acordo com a mineradora, o custo total de operação do caminhão será comparável ao do diesel em 2030.

Os novos caminhões devem permitir uma redução de 50% a 70% nas emissões (escopo 1 e 2 para minas a céu aberto). Em Mogalakwena, uma implantação completa de 40 caminhões está planejada para começar em 2024.

O sistema de bateria de íon-lítio modular de alta potência Williams Advanced Engineering (WAE) foi construído no Reino Unido e enviado para o First Mode em Seattle, nos Estados Unidos, onde estão sendo integrados às células de combustível Ballard Power Systems. De lá, as unidades de energia são enviadas para a África do Sul e integradas aos caminhões.

Na mina, uma planta eletrolisadora Nel 3,5 MW está em construção e será capaz de produzir até mil kg de hidrogênio por dia. A maior parte da eletricidade para a produção de hidrogênio virá de um sistema solar próximo, com capacidade de 320 MW. A capacidade do eletrolisador supera a demanda diária do caminhão, possibilitando armazenamento para abastecimento durante a noite ou momentos de baixa radiação solar, maximizando a parcela renovável do hidrogênio.

Anglo American tem outras otimizações energéticas além do hidrogênio verde

Para Mark Cutifani, CEO da Anglo American, o uso de hidrogênio verde poderia deslocar 650 mil t de emissões de CO2 a cada ano, o que é equivalente a remover 150 mil carros das estradas.

Além dos caminhões movidos a hidrogênio e da separação de minério a granel, outros projetos envolvem a otimização energética na Anglo American, incluindo o do “sumidouro profundo de energia”. Essa é uma forma de enfrentar as questões da geração de energia solar apenas durante o dia, aproveitando o espaço vazio da mina, e de gerar 800 MW de energia por 18 horas diárias.