Por Redação em 18/06/2021

Em abril, o Governo do estado do Paraná anunciou a criação do Banco do Agricultor Paranaense, que oferecerá um programa de crédito exclusivo para agricultores, com juros subsidiados. O financiamento se estenderá a programas de apoio à irrigação e uso de fontes de energia renováveis, no valor equalizado de até R$ 500 mil, para energia solar fotovoltaica, e de até R$ 1,5 milhão em biomassa, para contratações efetuadas até 31 de dezembro de 2022.

A iniciativa fomenta a ampliação do uso de fontes renováveis no Paraná, estado que hoje ocupa a quinta posição em capacidade de geração distribuída instalada (305,9 MW, ou 5,6% do total nacional), segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). “A energia fotovoltaica é uma alternativa de energia limpa, renovável e que pode apresentar um custo de investimento mais baixo. Com incentivos como esse, proporcionado pelo Banco do Agricultor, podemos voltar a crescer, gerar empregos e dividendos para o estado”, disse a coordenadora da Absolar no Paraná, Liciany Ribeiro, em entrevista à imprensa no evento de lançamento do Banco.

Absolar destaca potencial de geração de energia solar no Paraná

Apesar de o Paraná estar em uma das regiões mais frias do Brasil, o estado tem 60% mais incidência solar que a Alemanha, um dos maiores geradores mundiais de energia fotovoltaica.

Segundo a Absolar, o agronegócio é o terceiro segmento que mais investe em energia solar no Brasil, depois das residências e do setor de comércio e serviços. Por isso, estímulos como o oferecido pelo Banco do Agricultor são fundamentais para impulsionar o setor de geração fotovoltaica, além de promover a criação de novos empregos e estimular o desenvolvimento regional.