Por Redação em 03/05/2021

Investir na melhoria da eficiência da iluminação pública pode gerar economia de energia de até 70%, explica Kevin Alix, gerente de desenvolvimento de negócios da ENGIE. Além disso, parte da tecnologia que aumenta a eficiência pode servir também como base, no futuro, para soluções de smart cities.

Veja os principais pontos desse artigo:

Eficiência da iluminação pública

A principal medida para melhorar a eficiência da iluminação pública é a troca das tradicionais lâmpadas de vapor metálico pelos modelos de LED, explica Alix. A opção pelo LED gera economia de, no mínimo, 50%, e, dependendo do caso, pode chegar a 70% da conta de energia do município com iluminação pública.

Além de menos eficientes, as lâmpadas de vapor metálico são um poluente, especialmente as de mercúrio, ressalta. Outra vantagem do LED é que ele tem menos falhas. Então, é menor a chance de os postes se apagarem de repente — o que representa também uma questão de segurança.

“A tecnologia LED está começando a se democratizar em termos de preço. De cinco anos para cá, o preço caiu mais ou menos à metade. Fica, então, mais em conta trazer eficiência para os parques de iluminação pública”, explica.
Apesar desse potencial, ele diz que “no Brasil inteiro, a iluminação de LED, hoje, não passa de 5% do parque” de iluminação.

Sensores também melhoram a eficiência da iluminação pública

O preço, contudo, ainda freia a adoção do LED. Porque, mesmo com o barateamento, este tipo de lâmpada ainda é mais caro do que a de vapor de sódio ou mercúrio. Para solucionar isso, os governos que viram a vantagem da troca das lâmpadas recorreram a parcerias público-privadas, observa Alix.

Outra inovação que favorece a eficiência da iluminação pública é a internet das coisas. A ENGIE, por exemplo, instala um sistema de telegestão que inclui nos postes um sensor que passa informações sobre o funcionamento das luminárias e as especificações do equipamento (como o tipo de lâmpada, a altura do poste, modelo de LED, data da última manutenção, expectativa da vida útil etc.), ajudando a otimizar a operação e manutenção dos parques de iluminação pública.

Hoje, na maioria das cidades, o único meio de checar se uma luminária está funcionando é a verificação visual (enviando um funcionário) ou se alguém relatar um problema. Como o sensor também passa as especificações, evita-se o envio de um caminhão inadequado para a altura do poste, fazendo com que outro veículo tivesse que seguir para o local, e como Uber, otimizando a rota dos caminhões fazendo a manutenção na cidade. Isso evita o desperdício de tempo e combustível — e, portanto, de dinheiro.

Este tipo de tecnologia também abre caminho para outras aplicações. A primeira possibilidade é a dimerização, quando se controla a intensidade da iluminação.

“Isso é interessante porque a gente pode ou economizar a vida útil da luminária ou ir adaptando a luminosidade, por exemplo, no nascer do sol, dando mais conforto à população”, explica Alix.

Coleta de lixo mais eficiente e informação para carros autônomos

Pensando no futuro das cidades inteligentes, é possível, ainda, usar esses mesmos sensores de telegestão aliados a dados da rede de saneamento, o que pode, por exemplo, facilitar o processo de encontrar o local exato de um vazamento de água nas tubulações subterrâneas.

Outro ponto que pode ser otimizado com esses sensores é a coleta de lixo. Conectando os sensores de postes aos de lixeiras, é possível informar qual lixeira está cheia (no caso de coleta seletiva) e onde ela fica. Isso permite direcionar o caminhão certo ao local, e na hora certa.

“Sonhando um pouquinho mais, a gente enxerga a mobilidade do futuro, com veículos autônomos, que precisa de um grid de sensores para os guiar”, conta Alix.

Segundo ele, para navegar na cidade, os carros precisam desse grid na cidade. Mas só o GPS não basta porque não tem uma precisão muito grande. Assim, os sensores nos postes representam uma potencial fonte de informações para orientar os veículos, indicar cruzamentos, etc.

Qual a importância da iluminação pública?

A iluminação urbana transforma as ruas em locais frequentáveis à noite. Com ela, carros, motos e pessoas podem circular nas ruas por mais tempo. Vias públicas bem iluminadas também oferecem maior sensação de segurança. O LED é a tecnologia mais nova que vem sendo utilizada na iluminação pública.