Por Redação em 07/06/2021

Desde 2020 a ENGIE vem digitalizando a gestão de resíduos de suas unidades geradoras de energia e conta com pesagem por balanças digitais no processo. Os equipamentos lançam os quantitativos pesados diretamente em uma base de dados, compondo o inventário de resíduos de cada unidade geradora de energia e permitindo à companhia obter métricas claras da sua evolução, em consonância com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305).

O processo compõe a busca da ENGIE em assegurar a destinação final adequada, bem como a ampliação, sempre que possível, dos processos de reaproveitamento, o que inclui reciclagem, reuso e recuperação de materiais.

Com o apoio da tecnologia, já no ano passado a empresa alcançou a marca de 82,9% de recuperação dos resíduos gerados, sendo que as cinzas de combustão do carvão, oriundas do processo de geração das termelétricas, representam a grande parte desse volume. Essas cinzas são quase que inteiramente (98%) destinadas à indústria cimenteira e à agricultura (cultivo de cana e florestas plantadas).

Gestão de resíduos high tech avança neste ano

Em 2021 a gestão de resíduos da companhia deve ficar ainda mais efetiva, graças à incorporação de um software específico, focado em integrar prestadores de serviços em âmbito nacional e a amplia as perspectivas de recuperação com métricas fiéis. O processo digital também aumenta a confiabilidade no controle de geração e destinação, bem como na seleção de fornecedores adequados para executar as atividades.

Por meio de tecnologias, os parâmetros estabelecidos pelas Licenças Ambientais de Operação também são monitorados e informados ao órgão fiscalizador periodicamente.

Nas operações da ENGIE, os resíduos classificados como perigosos têm origem em insumos de natureza química. Os riscos relacionados a eventuais vazamentos e acidentes são igualmente monitorados e contam com a análise de equipes especializadas, com a devida capacitação para enfrentar situações de emergência.

Nas usinas certificadas conforme a ISO 14001, esse processo é frequentemente auditado, incluindo as etapas realizadas por terceiros. Os resíduos perigosos são armazenados em locais específicos das Centrais de Resíduos, segregados dos demais e dispostos de maneira segura, conforme os seus estado físico e periculosidade. Já os resíduos líquidos perigosos como, óleo usado, são armazenados em ambientes cobertos, ventilados, com acesso restrito, piso impermeabilizado e sistema de contenção para vazamentos emergenciais.