Por Redação em 12/07/2021

O grupo ENGIE já fazia parte da Act4nature 2018, um acordo sobre conservação da biodiversidade formalizado por empresas francesas com atividades internacionais. Agora, o compromisso foi renovado, sob o nome de Act4nature International. As empresas que fazem parte da aliança se comprometeram, em vários níveis, a contribuírem para a preservação da natureza, dos ecossistemas nos ambientes em que atuam e na execução de ações diretas para manutenção do clima, com redução de emissões de gases de efeito estufa.

“Em 2018, a ENGIE foi uma das signatárias da Act4nature, se comprometendo com os dez compromissos comuns do programa, cujos resultados foram registados em 2020. Agora, a companhia dá um passo adiante com o seu duplo compromisso com a Act4nature internacional (EpE) e o Ministério da Transição Ecológica da França. As duas iniciativas compartilham os mesmos dez objetivos e encorajam seus signatários a adicionarem metas individuais”, disse o diretor de meio ambiente da organização, Hervé Casterman.

Independentemente da aliança, o diretor reforça que as ações voltadas à conservação da biodiversidade já fazem parte das iniciativas globais da companhia desde 2009, quando as diretrizes para isso foram definidas. “Com esta nova etapa, a ENGIE amplia o seu compromisso com a definição de novas ações para o período 2020-2030, com metas que se aplicam a todas as atividades do Grupo (na França e nos demais países em que atua), com atualizações previstas para 2025”, afirmou.

Preservação garante uso dos recursos sem prejuízos aos ecossistemas

De acordo com Casterman, as atividades do grupo estão em constante interação com os ecossistemas naturais, principalmente em função do desenvolvimento de fontes renováveis ​​de energia. Assim, em sua visão, ao se beneficiar dos recursos naturais, a ENGIE deve ter o compromisso de preservá-los, para que possa continuar utilizando-os sem prejuízos ao ecossistema.

“Os impactos de nossas atividades são mensurados e devem, inicialmente, ser evitados, depois reduzidos ou, ainda, compensados ​​de outra forma”, pontuou.

No Brasil, as ações da ENGIE estão alinhadas ao mesmo propósito. Em todas as áreas em que opera, a empresa assume compromissos, em caráter voluntário, não somente com a preservação dos recursos naturais, mas também com a sustentabilidade das comunidades. A proposta é ir além das obrigações legais e proporcionar melhorias para a população no entorno das usinas.

Conservação da biodiversidade é prioridade no Brasil

Algumas ações ilustram como a educação ambiental nas comunidades contribui para a melhoria da qualidade de vida e cria alternativas de renda. É o que acontece na região da Usina Hidrelétrica de São Salvador (TO), onde um programa de agricultura familiar, fomentado pelo associativismo, acabou levando à parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Também na região de algumas hidrelétricas, a companhia executa várias ações para conservação e recuperação de nascentes, melhorando a qualidade de vida e até a saúde das pessoas, uma vez que contaminações passaram a ser evitadas.

Já em Campo Largo e Umburanas, no interior da Bahia, onde a ENGIE tem um conjunto eólico, várias iniciativas – como a parceria com o Senai para formação de mão de obra especializada – contribuíram para o aumento do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) local.

As prioridades de cada região estão sendo mapeadas por um amplo banco de dados que a empresa está organizando, denominado Matriz Biodiversidade. O objetivo é identificar, em cada região, alguns parâmetros reconhecidos nacional e internacionalmente, como espécies ameaçadas, unidades de conservação e rotas de aves migratórias, entre outros. Com base nessas informações, cada usina consegue definir as ações prioritárias para garantir a biodiversidade da região.