Por Redação em 09/02/2021

O compromisso da ENGIE com a energia renovável se manteve em 2020, apesar da pandemia. No último ano, a empresa pôs em operação 3 GW de capacidade instalada de energias renováveis em todo o mundo.

Desse total, 1,8 GW foram para os Estados Unidos. Em segundo lugar está a Europa, com cerca de 0,9 GW. E, em terceiro, América Latina e outras regiões, com aproximadamente 0,3 GW.

Compra de ativos também aumentou capacidade renovável da ENGIE na pandemia

Além disso, a ENGIE também acrescentou 2 GW à sua capacidade renovável por meio da aquisição de ativos. Assim, a empresa encerrou 2020 operando 31 GW de ativos de geração de energia renovável, um aumento de 5 GW em relação a 2019, mesmo com o cenário de impactos econômicos e operacionais decorrentes da pandemia.

A maior parte dessa capacidade foi gerada por fontes hidrelétricas, que respondem por aproximadamente 57% do portfólio renovável da ENGIE no mundo. Já eólica e solar representam os outros 43%. Juntos, esses grupos são responsáveis por 30% da geração bruta de energia da ENGIE.

Objetivos não financeiros reforçam DNA sustentável da empresa

De acordo com a CEO da ENGIE, Catherine MacGregor, os novos 3GW de capacidade são consistentes com a estratégia de crescimento da empresa em renováveis. Além disso, “posicionam a ENGIE como empresa líder no desenvolvimento global de fontes renováveis”, afirmou. “Essa performance nos coloca no caminho de atingir nossa meta de acrescer 9 GW de capacidade no período de 2019 a 2021”, acrescentou a executiva.

O aumento da capacidade renovável também está em linha com previsões de especialistas. Isso porque o covid-19 acelerou adoção de boas práticas socioambientais. Assim, especialistas acreditam que o mundo pós-pandemia vai demandar mais fontes renováveis.

O compromisso da ENGIE com a sustentabilidade se reflete também nos objetivos não financeiros da empresa, cuja divulgação completa deve acontecer este ano. Em 2020, a empresa apresentou três dos 19 objetivos que pretende alcançar até 2030.  Eles incluem não só uma energia que polui menos, mas também a maior participação das mulheres na administração e mais energia renovável em seu mix.