Por Redação em 06/10/2020

A ENGIE Brasil realizou recentemente a 6ª edição do Innovation Day, evento que faz parte do ENGIE Innovation Week, programa mundial de inovação. O evento acontece todos os anos em Paris e tem como objetivo principal fomentar a criatividade empreendedora dos colaboradores da empresa no mundo todo. Esta edição destacou o papel da inovação na transição energética para uma economia de baixo carbono.

Foram convidados para participar do evento virtual – por conta da pandemia de covid-19, pela primeira vez, em seis anos, o evento não foi realizado de forma presencial, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro –, clientes, fornecedores, parceiros tecnológicos e acionistas da ENGIE.

Para vencer o desafio que nos propomos, a ENGIE vai precisar da colaboração de toda a sua cadeia produtiva e stakeholders.

Gil Maranhão, diretor de Comunicação e Responsabilidade Social Corporativa da ENGIE Brasil, abriu o evento, explicando o tema desse ano: Pessoas, o Planeta e a Performance.

“Para vencer o desafio que nos propomos, a ENGIE vai precisar da colaboração de toda a sua cadeia produtiva e stakeholders. Nossos desafios são grandes e transformadores. Vamos precisar nos transformar para nos mantermos líderes da transição energética em um mundo neutro de emissões de carbono”, afirmou.

O executivo lembrou que a ENGIE vem anunciando, desde maio, seus objetivos não-financeiros, ligados a questões de saúde, segurança, ética, descarbonização não só da empresa, mas de clientes e fornecedores, dentre outros temas. “São metas arrojadas que vão demandar muita colaboração e inovação”, concluiu, acrescentando que esses compromisso globais deverão ser anunciados nos próximos meses.

Inovação e colaboração para está diretamente ligada a competitividade

Raphael Barreau, Diretor de Inovação, Estratégia e de Desenvolvimento de Negócios da ENGIE Brasil, lembrou que a inovação fez com que a empresa se tornasse a mais competitiva no mercado de energia e uma das líderes na transição energética.

“Em maio deste ano, a ENGIE divulgou o novo estatuto oficial da companhia, colocando a inovação como propósito”, lembrou. “A inovação vai ter um papel fundamental nos próximos anos”, disse.

Carlos Gothe, Gerente de Inovação da ENGIE Brasil, falou dos pilares da empresa para atuar em inovação e afirmou que trabalhar com inovação é trabalhar com cultura, de forma transversal.

“Inovação só funciona realmente quando as práticas perpassam toda a empresa e cadeia de fornecedores”, afirmou, destacando a importância da colaboração dentro da empresa. “Foi a colaboração que nos trouxe para onde estamos e é a colaboração que vai nos levar ainda mais longe”.

Evento apresentou finalistas brasileiros do Innovation Trophies

Durante o evento foram apresentadas as iniciativas da ENGIE em inovação e os finalistas brasileiros do Innovation Trophies, competição interna global do Grupo, que visa premiar projetos inovadores.

hidreletrica

Rafael Dias, supervisor de Manutenção da ENGIE na Hidrelétrica Machadinho, apresentou o projeto Novas tecnologias para a conservação da biodiversidade aquática. A iniciativa é uma combinação inédita de tecnologias para monitorar e reduzir a presença de peixes em turbinas de usinas hidrelétricas, reduzindo o impacto ambiental.

Adriano Baldissera, analista Ambiental da ENGIE na Hidrelétrica São Salvador, apresentou o projeto Inovação no Reassentamento de Comunidades: o caso da Usina Hidrelétrica São Salvador. Nele, por meio de um programa inovador baseado em associativismo, a ENGIE ajudou as famílias realocadas pela implantação da UHE São Salvador a restabelecer suas atividades socioeconômicas, envolvendo produtores locais, criando sinergias entre os atores da comunidade, e apoiando a agricultura sustentável para capacitar as famílias e melhorar suas vidas no campo.

Inovação no campo dos financiamentos

Gustavo Alves, coordenador de Finanças Corporativas da ENGIE, apresentou o projeto ENGIE & BNDES – Inovação na Comprovação Financeira produzindo grandes resultados.

Inovação só funciona realmente quando as práticas perpassam toda a empresa e cadeia de fornecedores

O projeto, de forma pioneira no Brasil, criou um sistema de automatizado para realizar a Comprovação Financeira junto ao BNDES. O novo método de comprovação mais ágil possibilita saques de financiamento do banco de forma mais rápida e mais frequente, aumentando o retorno dos projetos e também a capacidade da ENGIE em desenvolver novos projetos e acelerar a ampliação de nossas matrizes energéticas.

Por fim, Ernesto Vahl Neto, coordenador de Gestão de Materiais e Fornecedores da ENGIE, apresentou o projeto de Uso de Big Data para Compliance com fornecedores, stakeholders e projetos. A inovação organiza o processo de análise ética da unidade de negócios da ENGIE no Brasil de forma estruturada e automatizada, possibilitando a avaliação de mais de 44 critérios contidos nas políticas de Due Diligence e Embargo do Grupo com o mínimo de intervenção humana possível.

Objetivos não financeiros

O Grupo ENGIE pretende anunciar até o início de 2021 seus objetivos não financeiros para o ano de 2030. Serão, ao todo, 19 metas destinadas a ampliar não só os impactos positivos da companhia na sociedade, como também os benefícios para o meio ambiente e para a população no entorno dos projetos. E, assim, estar alinhada aos objetivos de desenvolvimento sustentável estabelecidos pelas Nações Unidas.

Saiba mais