Por Redação em 26/01/2021

O Grupo Globo recebeu da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) a certificação por neutralizar 100% das emissões de dióxido de carbono em todos os seus prédios e operação ao longo de 2019.

De acordo com a emissora, o resultado foi possível graças à atuação em três frentes: mapeamento da origem das emissões, implementação de iniciativas de redução e uma compensação do saldo ainda existente por meio da compra de créditos de carbono de projetos que apoiam a conservação e a restauração da Floresta Amazônica, assim como a produção de energia sustentável.

Atualmente, mais de 90% da energia consumida pela Globo é proveniente de fontes renováveis. “Nossa ambição é chegar a 100% “, afirma Mauricio Gonzalez, diretor do Centro de Serviços Compartilhados da Globo, ao jornal Valor Econômico.

Atualmente, a empresa dispõe de uma capacidade instalada para geração de 1.370 quilowatts por hora (kW/h) a partir de painéis solares distribuídos pelas praças do Rio de Janeiro e Recife. A instalação de todo o sistema de geração solar não exigiu investimentos da empresa. A Globo fechou contratos com empresas que implantam e operam essa infraestrutura. A energia gerada é vendida à empresa via contratos com duração de cinco a dez anos.

Grupo avalia maior utilização de veículos elétricos

A Globo diminuiu, ainda, as emissões com a redução de sua frota e o abastecimento de veículos flex somente com biocombustível. As emissões que não puderam ser reduzidas serão compensadas com a compra de créditos de carbono. Em 2019, esse excedente, neutralizado com a aquisição de créditos, foi de 21 mil toneladas de dióxido de carbono. O montante representa menos da metade do excedente de 49 mil toneladas registrado no ano anterior.

De acordo com Gonzalez, o grupo avalia uma possível substituição de unidades da frota atual por veículos elétricos. Segundo ele, os ônibus internos que circulam entre os Estúdios Globo, por exemplo, já foram trocados por jardineiras elétricas.