Por Redação em 24/02/2021

A Associação Internacional de Hidreletricidade (IHA) lançou um guia com orientações sobre como fazer avaliações remotas de usinas. Assim, será possível dispensar a presença de inspetores no local para comprovar como está o projeto em termos de sustentabilidade.

O anúncio acontece em momento oportuno, porque o setor vem discutindo a necessidade do avanço e a legalidade das ferramentas de controle e fiscalização remotas. Isso se tornou especialmente importante, sobretudo, após a redução das vistorias com o isolamento, um dos principais gargalos nos processos de licenciamento.

A ideia é dar mais flexibilidade para que o avaliador escolha quais atividades podem ser remotas e quais podem ser presenciais. De acordo com as orientações do Conselho de Avaliação da Sustentabilidade Hidrelétrica, haverá mais espaço para drones e entrevistas por vídeos com stakeholders para as avaliações independentes. Além disso, os avaliadores podem usar pesquisas nesse processo.

Guia da IHA prevê também informações de ONGs na avaliação de projetos

Também será possível levar em conta informações de stakeholders locais e ONGs. O documento traz orientações, por exemplo, sobre controle de qualidade, metodologia, exigências, proteção de dados.

Para a IHA, a mudança também reduz custos. “Imagens de drone e de vídeos, guiadas pelo que os avaliadores identificam que precisam ver e acompanhadas por mapas, podem fornecer boas evidências visuais da área do projeto”, disse em nota a doutora Helen Locher, avaliadora líder que colaborou para as novas orientações.

Locher reconhece, no entanto, que há projetos complexos demais para os quais os métodos remotos não dão uma visão completa o bastante. Então, nesses casos, “os avaliadores podem fornecer um relatório provisório que será finalizado após uma visita para verificação”, explicou.

A IHA vem buscando reforçar o caráter sustentável das hidrelétricas, que são fonte de energia renovável. Portanto, no fim de 2020, a associação abriu uma consulta pública para ajudar a criar um padrão global para a avaliação e certificação das usinas quanto a esse critério. Além disso, lançou um compromisso para o desenvolvimento sustentável desses projetos.