Por Redação em 20/07/2020

A energia renovável se tornará a maior área de alocação de recursos no setor de energia em 2021, superando a exploração petróleo e gás pela primeira vez na história. Segundo estimativas do banco Goldman Sachs, o segmento deve responder por cerca de 25% dos investimentos.

Para os analistas do banco, a mudança se deve, em parte, pela diferença entre os custos de capital, já que os juros de empréstimos subiram até 20% para projetos de hidrocarbonetos em comparação com as taxas entre 3% e 5% dos projetos de energia limpa.

Segundo a instituição financeira, o alto custo de capital para o desenvolvimento de combustíveis fósseis reduz a atratividade para investimentos nesse setor, o que pode elevar os preços do petróleo e do gás e, por sua vez, estimular uma transição energética mais rápida.

Pelas contas da Goldman Sachs, o setor de renováveis tem potencial de atrair investimentos de US$ 16 trilhões até 2030 e impulsionar investimentos em infraestrutura de US$ 1 trilhão a US$ 2 trilhões por ano.

Investidores pressionam mercado a incorporar transição energética

De acordo com a instituição financeira, investidores têm pressionado o mercado para incorporar a transição energética e as mudanças climáticas em seus negócios, planos e estratégias.

Segundo a equipe do banco, apenas neste ano o número de propostas de acionistas envolvendo questões climáticas já superaram as do ano passado.

Além disso, o número de propostas de acionistas relacionadas ao clima praticamente dobrou desde 2011 e o percentual de investidores votando a favor dessas propostas nas assembleias de companhias listadas triplicou no mesmo período. Com informações da Bloomberg.