Por Redação em 22/02/2021

A sustentabilidade vem ganhando importância dentro das empresas. Seja porque cada vez mais investidores exigem que empresas cumpram os critérios ESG (boas práticas socioambientais e de governança) ou porque cresce o número de consumidores que querem compras mais conscientes. Nesse cenário de maior consciência — intensificado pela pandemia de Covid-19 —, a figura do líder sustentável ganha destaque.

Outro ponto que destaca a importância desse profissional, afirma o think tank Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IIDS), são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. O think tank lembra que 150 países assinaram a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, com 17 ODS.

“O desempenho de qualquer país, na busca por alcançar os ODS, depende, em grande medida, de sua liderança”, diz o texto. Ou seja, esses executivos são importantes tanto para empresas quanto para governos.

Líder sustentável: foco no longo prazo e inovação

Esse profissional precisa ter uma visão ampla, que inclua os objetivos da empresa. Mas não pode deixar para trás os interesses de quem trabalha e de modo a não comprometer o meio ambiente. Com a pandemia, a importância do líder sustentável cresceu. Isso porque, nesse período, muitos começaram  a questionar sua forma de consumir e como isso impacta o mundo.

Um estudo publicado pelo Pacto Global da ONU analisou 55 CEOs e membros de conselho com histórico de integração de sustentabilidade à estratégia de negócios. Entre os líderes sustentáveis pioneiros, o documento identificou quatro atributos importantes para uma forma de pensar sustentável. São eles pensar nos vários níveis do sistema, inclusão do stakeholder, ativação de longo prazo e inovação disruptiva.

Os vários níveis dizem respeito ao reconhecimento, por parte da empresa, de que ela faz parte de algo maior, de um ecossistema. E que, portanto, só uma companhia ou indústria não é capaz de resolver a questão.

Já a responder efetivamente e engajar o stakeholder é importante para gerar transformação, diz o relatório da ONU. E isso inclui não só consumidores, mas também a comunidade, funcionários, investidores e governos.

Liderança pode gerar efeitos econômicos, sociais e ambientais

No quesito inovação, líderes sustentáveis costumam ter coragem de desafiar as abordagens tradicionais. E ainda têm uma disposição para causar mudanças importantes em sua empresa e indústria. Por fim, pensar no longo prazo é outro fator-chave.

“Líderes que não pensam no longo prazo podem perder oportunidades para estimular inovação relacionada à sustentabilidade“, diz o texto. Além disso, perde a chance de “desenvolver seu capital humano, expandir para novos mercados, crescer sua base de consumidores, criar eficiências operacionais e gerenciar efetivamente riscos sociais e ambientais”. O estudo ressalta que esses líderes não têm simplesmente um foco no longo prazo, mas também adotam “metas audaciosas”. Assim, para alcançá-las, direcionam suas ações e investimentos.

O IIDS destaca que o líder sustentável deve “gerenciar recursos, ser visionários e éticos e focar nas metas de longo prazo sem comprometer valores e princípios”. Além disso, o instituto acredita que aliar os efeitos desse tipo de liderança com a participação de todos os interessados pode levar a melhoras. E esses benefícios seriam sentidos na eficiência econômica, na coesão social e na responsabilidade ambiental.

As atribuições do líder sustentável são múltiplas. Elas podem ter a ver mais diretamente com os objetivos da empresa, como o planejamento de atividades e o estímulo ao engajamento da equipe, por exemplo. Ou podem ser mais ligadas a questões como a criação de estratégias de sustentabilidade, de redução de impacto ambiental ou social.