Por Redação em 26/03/2021

A Braskem, que produz PE (polietileno) verde em escala industrial desde 2010, anunciou em fevereiro que irá investir US$ 61 milhões para ampliar a produção da matéria-prima, na unidade industrial do Polo Petroquímico de Triunfo (RS). Com esse aporte, que se soma aos US$ 290 milhões já investidos no local, a companhia elevará sua capacidade atual, de 200 mil toneladas por ano, para 260 mil toneladas. 

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o responsável global por biopolímeros na Braskem, Marco Jansen, destacou que, atualmente, a capacidade da empresa está 100% ocupada. O projeto de expansão, que começa a ser executado ainda este ano, deve estar operacional até o fim de 2022.

Empresa quer neutralizar emissões de carbono até 2050

A Braskem é a maior produtora de resinas termoplásticas nas Américas e a principal produtora de polipropileno nos Estados Unidos. No Brasil, alavancou a produção do plástico verde (I’m greenTM),  que também pode ser reciclado, transformando-se em insumo para a indústria de transformação. 

Ao contrário dos polietilenos de origem fóssil, o PE verde é produzido a partir de etanol, derivado da cana-de-açúcar. Com as mesmas características e aplicações do produto tradicional, ele é uma alternativa sustentável para a indústria plástica. Como a empresa já anunciou que seu objetivo é neutralizar as emissões até 2050, a ampliação da produção é necessária.

Dessa forma, até 2025, a Braskem pretende produzir 300 mil toneladas de resinas termoplásticas e produtos químicos com conteúdo reciclado. Para 2030, o objetivo é chegar a 1 milhão de toneladas. Nos próximos 10 anos, o compromisso é evitar o envio inadequado de 1,5 milhão de tonelada de resíduos plásticos para incineradores, aterros e meio ambiente e reduzir em 15% as suas emissões de gases de efeito estufa.

Preço do PE verde ainda é uma barreira

No entanto, para atingir seus objetivos, o custo mais elevado do produto verde ainda é um problema. Afinal, em determinados momentos, um biopolímero pode custar o dobro do material de origem fóssil, o que dificulta sua disseminação na indústria. 

Porém, o apelo sustentável e as metas de descarbonização são fundamentais para o desenvolvimento da economia circular. Além disso, a expectativa é de que o investimento tenha reflexos positivos também na cidade de Montenegro, que fica ao lado de Triunfo, com melhorias tanto na geração de empregos quanto na economia. A expansão deverá atrair mais empresas para a região, que tem um distrito industrial próximo, inclusive com o chamado Polo da Química.

Vale lembrar que a sustentabilidade envolve aspectos sociais e ambientais. Assim, o empenho da Braskem em criar soluções a partir da cana-de-açúcar, como o PE verde, contribui não somente com a melhoria ambiental, mas também para gerar valor para toda a cadeia e alavancar o desenvolvimento econômico.