Por Redação em 02/06/2021

Piauí tem um programa de parceria público privada (PPP) com oito projetos de iluminação pública já licitados ou em fase de assinatura de contrato. Um deles é o de mini usinas de geração de energia solar fotovoltaica, que incrementam sua autossuficiência energética. De acordo com a superintendência do Programa de PPP do Piauí, serão oito mini usinas com capacidade de produção de 5 MW cada. Os investimentos somam R$ 150 milhões. A previsão é que elas entrem em funcionamento até o final deste ano, usando a tecnologia de rastreadores (trackers) e reduzindo as despesas de energia em cerca de 20%.

Viviane Moura, superintendente do Programa de PPP, adianta que a fase atual do projeto envolve o alinhamento com a concessionária local, uma vez que a energia produzida pelas usinas deve ser integrada ao sistema distribuído. O volume injetado na rede passará a ser compensado, com a redução dos custos de energia para o Piauí. “É uma matriz de energia limpa, sustentável e sem riscos. Também é um dos projetos de desenvolvimento de infraestrutura que mais empregam mão de obra qualificada e que possui alta empregabilidade”, explica a superintendente.

Ela adianta que as cidades que vão sediar as instalações são Caraúbas, Cabeceiras do Piauí, Curralinhos, Barras, e Canto do Buriti. Viviane informa que quase 90 mil pessoas residentes nesses municípios serão impactadas diretamente pela implantação das mini usinas.

Os investimentos contribuirão para a economia regional, a partir da geração de empregos diretos e indiretos, tanto na fase de implementação, quanto na operação das atividades.

Entenda as mini usinas de energia solar adotadas pelo Piauí  

A mini usina solar fotovoltaica (também chamada de parque solar ou central fotovoltaica) é um sistema de energia do sol projetado para a produção de eletricidade em alta tensão para distribuição. Por possuir uma fonte de energia renovável, a produção das mini usinas ocorre sem queima de combustíveis fósseis – aqueles responsáveis pela emissão de gases de efeito estufa na atmosfera e agravamento do nível de poluição.

Estima-se que, em 25 anos, a utilização da energia solar impedirá que mais de 100 toneladas de CO2 sejam lançadas na atmosfera.

Um dos pontos inovadores das mini usinas no Piauí é que elas utilizarão a tecnologia de trackers ou rastreadores. Esses equipamentos corrigem a angulação dos painéis diversas vezes durante o dia para acompanhar o movimento do sol, fazendo com que a produção de energia seja maximizada. Com isso, a produção de energia é cerca de 30% maior.