Por Redação em 02/07/2021

De acordo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), a projeção para este ano é de um aumento de 68% em relação à potência atual de energia solar fotovoltaica no país. Até dezembro, o devemos atingir 12,56 gigawatts (GW) de capacidade instalada. E, no embalo dessa tendência, o poder público também está aderindo a esta nova tecnologia, mais limpa, sustentável e econômica.

Prefeitura de Curitiba espera payback em sete anos

Em Curitiba, capital paranaense, o prédio da Prefeitura é um dos exemplos.  Desde o início do ano, a edificação passou a gerar parte da energia consumida com placas fotovoltaicas instaladas no telhado. São 439 painéis e, junto com o uso de lâmpadas LED, a pretensão da prefeitura curitibana é reduzir em até 50% o valor da conta de energia elétrica. O projeto tem capacidade total de 144,87 kWp, e o payback está previsto para ocorrer em sete anos.

“Além de ser considerada uma das melhores fontes para a geração de energia elétrica, frente às demais fontes renováveis, a energia solar fotovoltaica é uma alternativa para expansão da oferta de energia com menor impacto ambiental, pois não gera resíduos poluentes”, diz Thiago Müller Martins, gerente do departamento de Distribuição e Transmissão de Energia da Quantum Engenharia. Segundo ele, ao fomentar a energia solar fotovoltaica, o poder público ainda contribui com a meta brasileira de redução de gases de efeito estufa e com a economia nas contas de energia elétrica. “Instituições que apostam nesta fonte constatam a redução de despesas, além de ganhar valores perante a sociedade, como o de ter consciência socioambiental.”

Energia solar fotovoltaica também avança em SC

O poder público de Santa Catarina também adotou a tecnologia. O prédio da reitoria da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), no campus Itacorubi, em Florianópolis, tem instalados 156 painéis de 325 Wp, o que significa uma potência instalada de 50,70 kWp. A instituição também substituiu 1,1 mil lâmpadas comuns pelas de tecnologia LED, gerando uma economia de 48% na conta de energia. O payback é de até oito anos.

Ainda na capital catarinense, a Superintendência Regional da Polícia Federal aderiu ao sistema, que está operando desde 2018. Com a colocação de 120 placas fotovoltaicas, são gerados 42.244 kWh/ano. O ganho ambiental em um ano equivale a 693 unidades de árvores plantadas, além de deixar de emitir 21.043 kg de CO² na natureza e 202.793 km de poluentes produzidos por automóveis.

Geração distribuída solar: PNE aponta forte crescimento

Municípios pequenos também podem investir na energia solar fotovoltaica e a cidade de Itá, no oeste catarinense, com 6,4 mil habitantes, é um exemplo. O município apostou no uso de LED na iluminação pública e em 24 prédios públicos. Neste ano, instalou dois sistemas de geração fotovoltaica em prédios públicos da cidade e com isso deve economizar, aproximadamente, R$162 mil por ano nas faturas de energia elétrica. Isso representa redução de cerca de 70% na conta.

“A tecnologia envolvida nos sistemas fotovoltaicos vem avançando ano após ano, trazendo mais eficiência, sustentabilidade e economia a quem decide investir nela. Isso não é diferente para os cofres públicos, que têm a vantagem de fazer processos licitatórios para adquirir o que se tem de melhor no mercado por um preço justo, fazendo o seu investimento se pagar em menos tempo e gerando economia não só ao órgão licitante diretamente, mas também à população, indiretamente”, explica Martins.

Veja mais detalhes obtidos nos projetos do PR e SC

 

Prefeitura de Curitiba

Potência do Sistema: 114,87 kWp

Geração anual: 196.659 kWh / ano

Economia anual: R$ 101.906,74

Redução da emissão de carbono: 104.229 Kg

Payback: 7 anos

 

Prefeitura de Itá

Potência do Sistema: 152,64 kWp

Geração Anual: 225.755 kWh / ano

Economia Anual:  R$ 162.197,93

Redução da Emissão de Carbono: 1119.650 Kg

PayBack: 4 anos

 

UDESC

Potência do sistema: 50,7 kWp

Geração anual: 65.477 kWh / ano

Economia anual: R$ 29.962,04

Redução da emissão de carbono: 34.703 Kg

Payback: 8 anos

 

Polícia Federal de Florianópolis

Potência do sistema: 31,8 kWp

Geração anual: 42.244 kWh / ano

Economia anual: R$ 19.330,67

Redução da emissão de carbono: 21.043  Kg (valor estimativo)

Payback: 7 anos