Por Redação em 19/08/2020

De acordo com relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), uma agência da ONU, a produção de carros elétricos pode subir 500% até 2030, passando dos 5 milhões atuais para 23 milhões de unidades.

Segundo a agência, as vendas de carros elétricos cresceram nos últimos anos, aumentando 65% em 2018 em relação ao ano anterior, chegando a 5,1 milhões de veículos.

A demanda por matéria-prima do tipo da usada para produção de baterias recarregáveis deve aumentar rapidamente. Em 2018, o mercado mundial de lítio, a bateria de carro recarregável mais comum, era cerca de US$ 7 bilhões. A Unctad estima que chegue a US$ 58,8 bilhões até 2024.

Para a Unctad, as baterias recarregáveis vão ter um papel importante na transição energética para uma economia de baixo carbono e para ajudar a mitigar emissões de gases de efeito estufa.

“Fontes alternativas de energia, como baterias elétricas, se tornarão ainda mais importantes à medida que os investidores ficam mais cautelosos com o futuro da indústria do petróleo”, afirma a diretora de comércio internacional da Unctad, Pamela Coke-Hamilton.

Para a agência da ONU, na medida em que a participação do petróleo como fonte de energia recua, os esforços para diminuir emissões de gases devem estimular mais investimentos em produção de energia verde, podendo chegar a US$ 600 bilhões por ano, em média.

Brasil pode ser um dos principais fornecedores de matéria-prima para produção de baterias

De acordo com a agência, poucos países dominam a produção de commodities estratégicas para a produção dessas baterias recarregáveis: cobalto é sobretudo produzido na República Democrática do Congo; lítio na Austrália e Chile; grafite na China e Brasil; manganês na África do Sul, Austrália e também Brasil.

O Brasil detém, por exemplo, 24% das reservas de grafite, mas apenas 10% da produção mundial e 6% das exportações. Em comparação, a China, com 25% de reservas, exporta 64% do total mundial.

No caso de manganês, o Brasil tem 15% das reservas, só atrás de África do Sul e Ucrânia, mas a produção fica em 7%. O país tem também importantes reservas de lítio.