Por Redação em 10/11/2020

O custo da energia pode ter um peso grande no agronegócio, conforme a área atuação. Portanto, buscar a economia dos recursos sem comprometer a produtividade é uma tarefa importante. As soluções da ENGIE para o agronegócio podem ajudar a resolver a questão e ainda emitir menos carbono. Assim, a propriedade pode se aproximar dos protocolos ESG (de investimentos que levam em conta questões ambientais, sociais e de governança).

“Todas essas soluções poderão ser aplicadas para o agronegócio pré e pós-porteira, ou seja, a agroindústria também poderá se beneficiar”, analisa Charles Bispo, gerente comercial de segmentos estratégicos e especialista em agronegócio para o mercado de energia na ENGIE Brasil.

Migração para o mercado livre

Uma das possibilidades é migrar para o mercado livre de energia. A mudança pode ser feita também por propriedades ou empresas consumidoras de média e baixa tensão. No mercado livre, o comprador negocia diretamente com o fornecedor de energia, podendo obter preços mais competitivos. Neste campo, a ENGIE atua “buscando os melhores recursos para que o agricultor tenha as melhores opções para migração”, explica Bispo. Além disso, a empresa oferece consultoria para quem quer fazer a migração, auxiliando com a burocracia. Desta forma, uma empresa familiar de porte médio com 500 kW de demanda conseguiu economia média de 33%.

Geração híbrida

Outra das soluções para o agronegócio fornecidas pela ENGIE é a geração híbrida. Esta é uma opção para propriedades em áreas com fornecimento de energia insatisfatório ou mesmo sem linha de transmissão. Ela é híbrida pois usa fontes distintas para a geração.

Pode ser, por exemplo, uma combinação de solar e biogás, ou de solar e gerador a diesel. Em webinar, Bispo explicou que o diesel só é usado à noite. Neste horário, o consumo é menor, portanto o uso de diesel também é mais baixo. Bispo explicou, ainda, que, ao criar essas soluções, a ENGIE sempre busca a sustentabilidade aliada à viabilidade econômica.

“O cliente poderá optar por realizar ele mesmo o investimento em nossa solução, porém, poderá também contar com a ENGIE para realizar esse investimento como uma solução ‘energia como serviço’, diz Bispo. Neste caso, a ENGIE investe em toda a operação/projeto e, durante o prazo do contrato, opera e faz a manutenção do ativo. Em troca, o cliente paga “um valor de locação mensal, garantindo, de forma imediata, um valor mais baixo do que já paga atualmente (para a concessionária de energia)”.

Essa geração híbrida tem outra vantagem, garantir o fornecimento de energia. Isso é importante porque dá suporte ao “consumidor no campo quando há falta de energia da rede da concessionária, evitando perda de produção e da safra”, acrescentou.

Soluções de digitalização

A digitalização pode ajudar a reduzir o consumo de energia e a elevar a produtividade. Entre as soluções da ENGIE para o agronegócio nesta área está a plataforma Follow Energy. Mas ela não se resume a energia. É possível usá-la para acompanhar, por exemplo, climatização, água e até fazer o controle de equipamentos. O gerente comercial de consultoria e gerenciamento de energia da ENGIE Brasil, Alexander Dabkiewicz, explicou em um webinar que o uso da plataforma gera economia média de 6% a 20% no custo e consumo de energia.

Os dados podem servir até como base para um projeto de geração distribuída. Neste tipo de geração, a produção da energia se dá no local do consumo ou perto dele.

Customização das soluções da ENGIE para o agronegócio

No agronegócio, “as necessidades são diversas, e as soluções, idem”, lembra Bispo. Por isso, a equipe de engenharia aplicada da ENGIE analisa todas as necessidades para desenvolver as soluções adequadas.

“Temos clientes que possuem uma necessidade de solucionar o problema com dejetos oriundos de pecuária confinada ou mesmo da suinocultura. Ao mesmo tempo, necessitam ter economia de energia e maior confiabilidade no suprimento de energia. Neste caso, poderíamos construir um projeto de usina biogás, no qual, dependendo do espaço e quantidade dos dejetos, poderíamos também inserir uma solução de energia solar”, exemplifica Bispo.energia solar

Assim, a energia solar supriria a necessidade durante o dia, enquanto o biogás seria usado para a geração de eletricidade durante a noite.

O prazo para que o investimento “se pague” vai variar justamente conforme a customização e o modelo de contratação escolhido. Segundo Bispo, quando o cliente é quem investe na solução, o payback costuma levar de 3 a 6 anos. Mas, na modalidade “Energia Como Serviço”, o retorno é imediato, já que quem arca com os custos é a ENGIE.

Agronegócio

A ENGIE Brasil, maior empresa privada de geração de energia, transporte de gás e soluções energéticas do país, produziu uma série especial de vídeos com foco no agronegócio nacional. O novo canal disponível no blog Soluções ENGIE e também no perfil da ENGIE do youtube, traz entrevistas com especialistas e referências do segmento sobre geração de energia de fontes renováveis, novas tecnologias e as tendências do agribusiness.

Saiba mais