Por Redação em 18/05/2021

Em expansão acelerada no Brasil, o Mercado Livre de Energia é um ambiente especial de negociação, no qual vendedores e compradores podem negociar energia elétrica livremente, de acordo com a regulamentação do setor. Nesse ambiente, empresas consumidoras – industriais, comerciais e de serviços – podem contratar o fornecimento diretamente de empresas geradoras ou comercializadoras, dispensando a interação com as distribuidoras, que atendem o chamado mercado cativo, visando um bom negócio para economizar energia.  

O poder de escolha concedido aos consumidores está entre os maiores benefícios do Mercado Livre de Energia. Isso porque os clientes podem negociar a quantidade a ser adquirida conforme o perfil de consumo das operações, adequando o período de fornecimento e o preço praticado, por exemplo. A gestão financeira também ganha, pois é possível negociar energia elétrica no curto, médio e longo prazo, já prevendo as despesas com energia ao longo do contrato. 

Diante dos atrativos, é comum que haja dúvidas sobre os requisitos necessários à migração do mercado cativo para o livre – especialmente quando avaliada a definição do consumidor livre padrão, que deve ter demanda contratada, junto à distribuidora, igual ou superior a 1,5 MW. A oportunidade que muitas empresas ainda desconhecem é o enquadramento como consumidor especial.  

Nesse caso, o cliente pode ter demanda contratada igual ou superior a 0,5 MW que adquirem energia exclusivamente a partir de fontes incentivadas, renováveis, como pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), biomassa, eólica ou solar.  E o melhor: esse número pode ser obtido por meio da soma do consumo de diferentes unidades de um negócio – empresas com o mesmo CNPJ ou localizados em área contígua, sem separação por vias públicas. 

Ao facilitar o alcance da demanda mínima, a comunhão de cargas tem se mostrado um excelente caminho para que redes, especialmente de comércio e serviços, migrem para o Mercado Livre de Energia. A conta é simples: imagine uma rede com cinco lojas, todas com mesmo CNPJ, consumindo 100 kW de energia cada – somadas as demandas atingem 500 kW (0,5 MW), o que habilita essa empresa como consumidor especial.  

Além da facilidade e da possibilidade de economizar energia, consumidores especiais agregam sustentabilidade aos negócios. Uma mudança que faz bem aos negócios e também ao planeta.  

Migração facilitada

Para estender os benefícios do Mercado Livre de Energia a um número cada vez maior de clientes, a ENGIE desenvolveu o E-conomiza, solução que, além de oferecer até 20% de economia na fatura mensal de energia, facilita a migração, evitando uma série de processos burocráticos.  

 E-conomiza tem como foco empresas que despendem cerca de R$ 40 mil por mês com energia e buscam reduzir custos de produção. Ao contratarem a solução, os clientes são apoiados por especialistas da ENGIE em todo o processo de migração, de forma simples, ágil e segura.  

Saiba mais