Por Redação em 11/11/2020

O transporte público é responsável por uma grande fatia da poluição nas metrópoles, mas na América Latina, eles são o principal emissor de gases do efeito estufa. Segundo relatório do Banco Mundial, em Santiago, capital do Chile, o transporte é responsável por 79% da poluição no ar. É o índice mais alto entre as cinco metrópoles analisadas.

Em segundo lugar está a Cidade do México, com 71% das emissões gerais vindo dos transportes. Logo atrás está a cidade de São Paulo, com 61%. Fecham a análise Montevidéu (Uruguai), com o setor de transporte emitindo 44% da poluição total, e Buenos Aires (28%).

Cidade do México tem alto índice de mortes por poluição do transporte

A cidade do México é o centro urbano com o quarto maior número de mortes no mundo que podem ser atribuídas à poluição causada pelos transportes. Isto é o que apontam dados compilados em relatório da P4G, iniciativa da ONU para desenvolver parcerias público-privadas para alcançar as metas de sustentabilidade.

O documento também chama atenção para os impactos econômicos da poluição. Conforme o texto, estima-se que os problemas de saúde decorrentes da poluição do ar custem mais de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) nos 15 países com as maiores emissões de gases do efeito estufa.

O estudo da P4G mostra que, apesar de as emissões de CO2 por passageiro serem menores em ônibus do que em carros, a maioria das frotas na América Latina são antigas e movidas a diesel. Deste modo, elas pioram o cenário de poluição. Portanto, as cidades deveriam buscar mais ônibus “verdes” para amenizar a situação.

Em Santiago, parceria para ônibus elétricos

Entre as cidades que adotaram compromissos ou começaram a integrar ônibus com tecnologias mais limpas está Santiago. Na capital chilena, a transição para uma frota elétrica começou em 2016. Lá, a ENGIE é uma das empresas donas dos ônibus e da infraestrutura, que são alugados para a prefeitura. Mas eles ainda são minoria na frota, com apenas 386 ônibus elétricos contra 6.064 dos tradicionais, em 2019. A meta do Chile tem é eletrificar toda a frota até 2040.energia renovavel

Enquanto isso, São Paulo aprovou uma lei para a redução progressiva das emissões por ônibus nos próximos 20 anos. E, no fim de 2018, a cidade recebeu 15 ônibus elétricos da fabricante chinesa BYD para um programa-piloto.