Por Redação em 21/12/2020

No que depender da União Europeia (UE), em um futuro não muito distante fazer negócios pode exigir boas práticas ambientais. Representante da entidade na cúpula do G-20, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou que defenderia que as negociações comerciais levassem em conta boas práticas “verdes”.

Ele defende, portanto, uma reforma na Organização Mundial do Comércio (OMC). “Estamos trabalhando para fazer respeitar o Acordo de Paris como parte essencial de todos os futuros acordos comerciais”, afirmou, segundo o Valor Econômico.

Segundo o executivo, produtos que classificou como de “baixa qualidade” não podem concorrer deslealmente com produtos europeus e ainda prejudicar o planeta. Além disso, explicou que o bloco busca estabelecer um mecanismo chamado de carbon border adjustment, que evitaria que empresas escapassem dos custos das políticas climáticas ao deslocar a produção para países com regras ambientais mais frouxas, aumentando, portanto a poluição global.

UE: relações comerciais precisam de ‘campo nivelado’

O carbon border adjustment mechanism faz parte do escopo do Green Deal europeu. O nome da política é uma referência ao New Deal — programa implementado nos Estados Unidos com o objetivo de recuperar a economia americana após a Grande Depressão.

O Green Deal, porém, quer que o continente europeu seja neutro em carbono e crie novos empregos. Adicionalmente, a preocupação com as emissões das empresas em outras regiões sugere um interesse pela redução da poluição no planeta todo.

“O Green Deal europeu é nossa nova estratégia de crescimento. Ele vai nos ajudar a reduzir emissões enquanto cria empregos”, disse, no lançamento das primeiras medidas, Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia.

De volta a 2020, Charles Michel, do Conselho Europeu, defende um “campo de jogo nivelado verde”. Ou seja, que as mesmas regras se apliquem em termos de comércio e meio ambiente.