Por Redação em 22/07/2021

Dentro do programa “A energia da Claro”, a operadora de telecomunicações inaugurou, em junho, quatro novas plantas fotovoltaicas nas cidades de Florestópolis e Andirá, no estado do Paraná, e Barbosa e Penápolis, em São Paulo.

As instalações garantem 25 MWp de energia, quantidade suficiente para abastecer mais de 22 mil casas no período de um ano. Esse volume representa o equivalente ao funcionamento de quase 80 mil painéis solares.

Maior projeto de geração distribuída

O programa de estímulo ao uso de fontes renováveis desenvolvido pela Claro já conta com 52 usinas próprias em operação, sendo considerado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) como o maior projeto de geração distribuída do Brasil.

Embora a energia seja utilizada, principalmente, para abastecer cerca de 20 mil unidades consumidoras próprias da companhia (torres de telefonia, datacenters e outras estruturas operacionais), a geração energética total das iniciativas que integram o programa, incluindo todas as fontes (como eólica, solar e biogás), equivalem ao consumo de 240 mil residências. Para efeito de comparação, esse volume seria suficiente para atender cidades como Araras, com população estimada em mais de 135 mil habitantes, segundo o IBGE, ou Valinhos, com mais de 131 mil pessoas (ambas localizadas no interior paulista).

Na região centro-oeste o consumo de energia de toda operação da empresa é renovável, obtido através de geração própria e de contratos de compra de energia limpa no Mercado Livre.

Programa estimula geração limpa

Para a Claro, o investimento em fontes de energia limpa contribui não apenas para a adoção de uma matriz renovável e ecologicamente correta, mas também para fomentar empregos, o que resulta em maior geração de renda.

Até 2021, o programa “A energia da Claro” deverá gerar 80% da energia consumida pela empresa, o que representa mais de 600 mil MWh/ano. A geração de energia limpa prevê o uso das energias solar, hidrelétrica, eólica, biogás e cogeração qualificada. Ela engloba, ainda, ações de mobilidade elétrica e de eficiência energética.