Por Redação em 30/06/2020

De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), apesar do choque na economia global causado pela pandemia da Covid-19, as vendas de carros elétricos devem atingir recorde neste ano. A estimativa da AIE é de que as vendas globais de carros elétricos acumulem mais de 2,3 milhões de unidades, superando o resultado do ano passado. A participação nas vendas deve ficar acima de 3% do mercado total. Este resultado elevaria a frota de veículos elétricos no mundo para cerca de 10 milhões de unidades.

“Os carros elétricos estão gradualmente se tornando competitivos em alguns países com base no custo total de propriedade, que inclui custos de compra e gastos com combustíveis”,  destaca a agência.

De acordo com a AIE na França, Alemanha, Itália e Reino Unido – os maiores mercados europeus de automóveis –, nos primeiros quatro meses de 2020, as vendas de veículos elétricos atingiram aproximadamente 145 mil unidades,  crescimento 90% superior em relação ao  mesmo período ano passado.

O resultado, segundo a agência, é consequência das metas para redução de emissões de CO2 da União Europeia, dos subsídios concedidos na Alemanha para compra de carros elétricos, em fevereiro, e dos incentivos implementados na Itália no ano passado, para incentivar o uso desse tipo de veículo.

Vendas de veículos elétricos aumentaram na última década, exceto em 2019

De acordo com a AIE, as vendas globais de veículos elétricos cresceram mais de 60% ao ano na última década. “Exceto em 2019, quando o crescimento desacelerou para 6%, à medida que o ambiente regulatório mudava na China e as vendas de automóveis recuaram nos principais mercados “, explica a agência.

Ainda assim, no ano passado,  a comercialização dos carros elétricos atingiu 2,2 milhões de unidades, garantindo maior participação no mercado global de automóveis (2,6%).

A agência estima que as vendas de carros elétricos tenham, em 2020, melhor resultado. “Nos primeiros quatro meses de 2020, houve uma queda sem precedentes nas vendas de carros no mercado global “, observa.  Ou seja, entre janeiro e abril,  as vendas caíram cerca de um terço em relação ao mesmo período de 2019,  com recuo de aproximadamente 9 milhões de unidades.