Por Redação em 26/01/2021

A Volkswagen Caminhões e Ônibus anunciou, em dezembro, R$ 2 bilhões em investimentos para o desenvolvimento de caminhões elétricos no Brasil, no período de 2021 a 2025. Ao contrário dos investimentos do passado, que, em grande parte, se voltavam à renovação de linha de produtos e atendimento à legislação de redução de emissões de poluentes mais simples, desta vez a companhia irá investir em transportes de carga mais limpos, que passaram a ser exigência dos clientes das transportadoras, sobretudo multinacionais.

A Volks já tem um modelo elétrico, o e-Delivery, idealizado para entregas urbanas. Agora, a empresa irá investir de forma mais pesada para desenvolver os próximos projetos de caminhões e ônibus elétricos e híbridos.

A primeira empresa a testar o elétrico da Volks foi a Ambev, que já encomendou 1,6 mil unidades do modelo para os próximos três anos. O primeiro lote, de 100 veículos, será entregue à cervejaria a partir de junho de 2021.

Brasil tende a se destacar no desenvolvimento de veículos de carga elétricos

O volume do novo ciclo de investimentos no Brasil é maior que o do plano anterior, quando foram investidos R$ 1,5 bilhão entre 2017 e 2021. Segundo a companhia, os recursos serão obtidos, na maior parte, por linhas de financiamento, como do BNDES e de instituições internacionais.

Os executivos do setor acreditam que o Brasil tende a se destacar no desenvolvimento de veículos de carga na era da eletrificação. E a indústria se mobiliza para buscar incentivos para estimular o uso dos caminhões elétricos.

“Não queremos subsídios, mas talvez linhas de financiamento diferenciadas possam ser um caminho”, afirma Roberto Cortes, presidente da empresa. “Na Europa, existem vários incentivos, como a liberação de algumas áreas de estacionamento”, diz.

Se os planos da Volks derem certo, a ideia é estimular a produção de caminhões elétricos para entregas em áreas urbanas inicialmente, até fazer com que o preço desse tipo de veículo se equipare ao de um a combustão.